Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Humanismo Secular’

por Hector Avalos

Os estudos bíblicos como os conhecemos deveriam terminar. Os profissionais deste campo são unânimes em afirmar que a Bíblia é o produto de outra época e outra cultura cujas normas, práticas e concepções do mundo eram radicalmente diferentes das nossas. E no entanto, estes mesmos especialistas paradoxalmente mantém o público leigo sob a ilusão de que a Bíblia importa ou deveria importar. Argumentamos que, seja esta sua intenção ou não, sua validação da Bíblia como um texto para o mundo contemporâneo serve sobretudo para justificar seus próprios empregos e a relevância de sua profissão no mundo atual.

Vimos como as traduções ocultam em vez de patentearem os conceitos mais degradantes e alienígenas dos autores bíblicos. Vimos como os críticos textuais, mesmo sabendo que o texto original é provavelmente irrecuperável, não anunciam para a maioria das comunidades cristãs que suas Bíblias são na melhor das hipóteses construtos que não podem ser remontados  além do segundo século da Era Comum para o Novo Testamento e do terceiro século AEC para a Bíblia Hebraica. Em nosso olhar sobre a história e a arqueologia bíblica, aprendemos que a “história bíblica” foi não tanto apagada como na verdade exposta como, antes de qualquer coisa, ausente. O alegado mérito artístico superior da Bíblia também foi desmascarado pelo que é – outro dispositivo apologético bibliolátrico.

Por que precisamos que um livro antigo que endossa tudo, do genocídio à escravidão, seja a autoridade suprema sobre nossa moralidade pública ou privada? Por que precisamos de qualquer texto antigo, afinal, independente de qual moralidade ele esposa? “A Bíblia” é sobretudo um construto dos últimos dois mil anos da história da humanidade. Seres humanos modernos existiram por dezenas de milhares de anos sem a Bíblia, e não parece que estavam em pior situação por isso. Existem sociedades secularizadas contemporâneas na Europa que parecem se dar muito bem sem a Bíblia.

De meu ponto de vista, existem apenas três alternativas genuínas para o que atualmente conhecemos como estudos bíblicos:

  1. Eliminar os estudos bíblicos completamente do mundo atual.
  2. Manter os estudos bíblicos como são, mas admitir que são um empreendimento religionista.
  3. Manter os estudos bíblicos, mas redefinir seu propósito de modo que sejam encarregados de eliminar completamente a influência da Bíblia no mundo atual.

Eu não defendo a primeira opção, pelo menos não por ora, porque acredito que a Bíblia deveria ser estudada, no mínimo como uma lição sobre por que os seres humanos não deveriam privilegiar tais livros novamente. Minha objeção é contra o propósito religionista e bibliólatra pelo qual é estudada. A segunda opção é na verdade o que é encontrado na maioria dos seminários, mas devemos dar ampla publicidade ao fato de que estudiosos em todo o mundo acadêmico estão fazendo a mesma coisa, embora não estejam sendo muito francos e honestos sobre isso.

Eu prefiro a terceira opção. O único objetivo dos estudos bíblicos, sob esta opção, seria ajudar as pessoas a se moverem rumo a uma sociedade pós-escritural. Pode soar paternalístico “ajudar as pessoas”, mas não mais do que quando os tradutores escondem a verdade ou quando os acadêmicos não divulgam agressivamente a verdade por medo de transtornar os fiéis. Tudo na educação é em alguma medida paternalista, já que uma elite docente está lá para fornecer informações que o público leigo não possui. A terceira opção também é a mais lógica, considerando-se a descoberta do caráter alienígena da Bíblia.

A minha opção também é a menos autointeressada porque não teria meu próprio emprego como objetivo último, e permitiria a milhares de outros textos aos quais ainda não foi concedido voz falarem também sobre a sabedoria possível, a beleza e as lições que eles possam conter. Com efeito, milhares de textos mesopotâmicos jazem intraduzidos. De modo que mesmo aqueles que acreditam na importância da literatura deveriam advogar para que mais luz seja jogada sobre os textos antigos ainda não lidos.

O que eu busco é a liberação da própria ideia de que qualquer texto sagrado deva ser uma autoridade para a existência humana atual. A abolição da dependência humana de textos sagrados é imperativa quando esses textos sagrados colocam em risco a existência da civilização humana em sua configuração atual. Portanto, a abolição total da autoridade bíblica torna-se uma obrigação moral e uma chave para a sobrevivência deste mundo. A letra pode matar. Esta é a razão pela qual a única missão dos estudos bíblicos deveria ser encerrar os estudos bíblicos como os conhecemos.

Read Full Post »

Autor: Hector Avalos, PhD [1]

Fonte: The End Of Christianity, págs. 107-129 (John W. Loftus, ed., Prometheus Books, 2011)

Tradução: Gilmar Pereira dos Santos

Sumário:

1. Introdução

2. Traduções

3. Crítica Textual

4. Arqueologia Bíblica

5. O Jesus Não-Histórico

6. Crítica Literária

7. Teologia Bíblica

8. Conclusão

_________________________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________________________

endcover

1. Introdução

A única missão dos estudos bíblicos deveria ser colocar um ponto final nos estudos bíblicos como os conhecemos. Esta série explicará porque eu cheguei a tal conclusão. Para nossos propósitos, podemos sumarizar nossa defesa do fim dos estudos bíblicos como os conhecemos com duas premissas principais:

  1. O corpo de conhecimentos relativos à Bíblia acumulados até hoje demonstra que a Bíblia é o produto de culturas cujos valores e crenças sobre a origem, a natureza e o próposito de nosso mundo não mais são considerados relevantes, mesmo pela maioria dos cristãos e judeus.
  2. Paradoxalmente, apesar do reconhecimento de tal irrelevância, a profissão de especialista em estudos bíblicos ainda é centrada em manter, por meio de uma série de disciplinas eruditas cujos métodos e conclusões são muitas vezes filosoficamente inválidas (por exemplo, tradução, crítica textual, arqueologia, história e teologia bíblica), a ilusão de que tais crenças e valores ainda são relevantes.

A primeira premissa reconhece que de fato descobrimos muitas informações novas sobre a Bíblia. Os Manuscritos Do Mar Morto e a vasta quantidade de tesouros arqueológicos do Oriente Próximo antigo encontrados nos últimos 150 anos assentaram a Bíblia firmemente em seu contexto cultural original. Entretanto, são essas mesmas descobertas que mostram que a Bíblia é irrelevante na medida em que é parte de um mundo radicalmente diferente do nosso em sua concepção dos cosmos, do sobrenatural e do senso de moralidade humano.

“Irrelevante”, aqui, refere-se a um conceito ou prática bíblica que não mais é visto como dotado de valor, aplicável e/ou ético. Portanto, ao passo que a maioria dos americanos hoje considera o genocídio condenável, tal não era o caso em vários textos bíblicos. Na verdade, Michael Coogan, um respeitado estudioso da Bíblia, admite que algumas práticas bíblicas são tão objetáveis hoje que as igrejas tentam ocultar partes da Bíblia de seus membros. Nas palavras de Coogan:

Conspicuamente ausentes dos lecionários estão a maior parte ou mesmo a totalidade de livros como Josué, com seu relato do violento extermínio dos habitantes da terra de Canaã por ordem divina, ou Juízes, com suas horripilantes narrativas envolvendo patriarcalismo e agressões sexuais nos capítulos 11 e 19 – para não mencionar o Cântico de Salomão, com seu carregado erotismo, ou o livro de Jó, com seu desafio radical à visão bíblica dominante de um Deus justo e zeloso.[2]

De maneira similar, nossas instituições médicas contemporâneas eliminaram as explicações sobrenaturais para as doenças encontradas na Bíblia, tornando irrelevantes tais explicações. Eis mais alguns exemplos de “descobertas” científicas e eruditas que oferecem evidências adicionais da irrelevância da Bíblia:

  • Embora a ciência contemporânea tenha demonstrado o contrário, alguns autores bíblicos mantinham que o universo foi criado em apenas seis dias[3];
  • Apesar da importância atribuída pelos teólogos às palavras e feitos dos grandes personagens da Bíblia (Abraão, Moisés e Davi), as pesquisas sugerem que estas figuras não são tão “históricas” como se pensava.[4]
  • Não existem evidências independentes da vida ou dos ensinamentos de Jesus no primeiro século EC, o que significa que a maioria dos cristãos contemporâneos nem mesmo estão seguindo os ensinamentos de Jesus.[5]
  • Os autores bíblicos em geral acreditaram que as mulheres eram subordinadas aos homens.[6]

Mesmo quando várias pessoas no mundo atual ainda adotam ideias bíblicas (por exemplo, o criacionismo), isto ocorre em parte porque os estudiosos da Bíblia não são suficientemente eloquentes ao criticar crenças bíblicas obsoletas. Em vez disso, tais especialistas concentram-se na manutenção do valor do texto bíblico na sociedade atual.

Um caso em questão é o artigo de Daniel J. Estes publicado no Bibliotheca Sacra, um conceituado periódico cristão evangélico.[7] Estes também está preocupado com a questão da irrelevância; ele até mesmo desenvolveu uma “escala” para medir a relevância dos ensinamentos bíblicos. Algo próximo à extremidade zero seria considerado obsoleto, ao passo que algo próximo a dez seria considerado uma diretiva que os cristãos ainda devem seguir.

Ele então oferece o exemplo da lei das primícias em Deuteronômio 26:1-11, que ordena aos israelitas irem até um local escolhido por Javé para entregarem ao sacerdote os primeiros frutos de sua estação de colheitas. Estes coloca esta lei próxima do zero na escala (preceitos obsoletos) porque, entre outras coisas, em sua maioria os cristãos de hoje não são agricultores, tampouco reconhecem um lugar central escolhido por Javé.

Estes reconhece que “nenhum destes ítems específicos possui um correspondente exato na identidade e na experiência dos fiéis cristãos hoje… Várias das prescrições legais do Antigo Testamento pertencem a esta categoria, incluindo, por exemplo, a regulamentações dietéticas[8] Quando pressionado a encontrar exemplos de “total continuidade” entre o público bíblico original e o público cristão atual, Estes admite que “exemplos indiscutíveis de continuidade total entre os dois públicos são relativamente raros[9]

John Bright, considerado um dos mais destacados acadêmicos americanos do último século no campo dos estudos bíblicos, refletiu um sentimento parecido em relação aos anos sabáticos e do jubileu em Levítico 25, quando observou que “as regulamentações lá descritas são obviamente de tão pouca aplicação no contexto atual que um pastor pode ser perdoado se disser a si próprio que a passagem não contém absolutamente nenhuma mensagem relevante para seu rebanho.[10] Na verdade, se fôssemos percorrer versículo por versículo, suspeito que ninguém sentiria falta de 99 porcento da Bíblia, na medida em que ela reflete várias práticas, injunções e ideias não mais aplicáveis do que as contidas em Levítico 25.

Nossa segunda premissa principal é que, apesar de reconhecerem esta irrelevância, os acadêmicos especialistas em estudos bíblicos, de maneira paradoxal e corporativista, promovem a ilusão de que a Bíblia é relevante. Almeja-se, com a manutenção desta ilusão, fazer os fiéis pensarem que possuem “A Bíblia” quando tudo o que eles realmente tem é um livro construído por uma elite de estudiosos contemporâneos. De modo que mesmo se 99.9 porcento dos cristãos modernos disserem que a Bíblia é relevante para eles, tal relevância é baseada em sua hipótese ilusória de que as versões contemporâneas de fato refletem a “Bíblia” original em alguma medida.[11] Promover a ilusão da relevância serve para justificar a própria existência da profissão de especialista em estudos bíblicos, e pouco mais do que isso.

Nosso argumento é que não há realmente nada em todo o livro que os cristãos chamam de “Bíblia” que seja minimamente mais relevante do que qualquer outra coisa escrita no mundo antigo. A minha visão dos estudos bíblicos é explicitamente humanista secular. Os estudos bíblicos como os conhecemos deveriam terminar. Deveríamos agora tratar a Bíblia como o documento bárbaro que é, não mais importante do que outras obras literárias que ignoramos diariamente. Os estudos bíblicos deveriam ser utilizados para ajudar a humanidade a romper seu vínculo com a Bíblia e solapar completamente sua autoridade no mundo contemporâneo. Então, a atenção poderia ser dirigido aos milhares de outros textos antigos ainda não traduzidos e não lidos. Um dia, a Bíblia pode até mesmo ser vista como uma das curiosidades de uma trágica era bibliólatra, quando a dependência em relação a um texto acarretou misérias inauditas e representou um obstáculo ao progresso humano. Podemos então estudar a Bíblia como uma lição sobre porque os seres humanos não deveriam jamais privilegiar qualquer livro nesta extensão.

Eu sustento que as principais subdisciplinas dos estudos bíblicos tiveram êxito em demonstrar que a Bíblia é o produto de culturas cujos valores e crenças sobre a origem, a natureza e o propósito de nosso mundo não mais são consideradas relevantes, mesmo pela maioria dos cristãos e judeus. Estas subdisciplinas incluem a tradução, a crítica textual, a história e a arqueologia bíblicas, a crítica literária e a teologia bíblica.

Notas.

1. Esta série foi extraída pelo editor (John W. Loftus) do livro de Hector Avalos The End of Biblical Studies (Amherst, NY: Prometheus Books, 2007), com pequenas edições e o acréscimo de algumas notas de rodapé. Usado com permissão do autor.

2. Michael Coogan, “The Great Gulf between Scholars and the Pew,” in Biblical Studies Alternatively: An Introductory Reader, ed. Susanne Scholz (Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 2003), 7. Vinte e quatro passagens bíblicas demonstrando este ponto podem ser conferidas em http://sites.google.com/site/thechristiandelusion/Home/the-will-of-god.

3. E que a Terra é plana e o céu é sólido e sustentado por pilares: veja Ed Babinski, “The Cosmology of the Bible,” em The Christian Delusion, ed. John Loftus (Amherst, NY: Prometheus Books, 2010): 109–47.

4. Veja por exemplo: Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman, The Bible Unearthed: Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts (New York: Basic, 2001); Thomas Thompson, The Historicity of the Patriarchal Narratives: The Quest for the Historical Abraham (Harrisburg, PA: Trinity Press International, 2002); e sumários e fonts em Paul Tobin, “The Bible and Modern Scholarship,” em Loftus, The Christian Delusion, 148–80.

5. Veja por exemplo: Bart Ehrman, Jesus Interrupted: Revealing the Hidden Contradictions in the Bible (and Why We Don’t Know about Them) (New York: HarperOne, 2009); Gerd Ludemann, Jesus After 2000 Years (Amherst, NY: Prometheus Books, 2001); Gerd Theissen e Annette Merz, The Historical Jesus: A Comprehensive Guide (Minneapolis: Fortress, 1996); Robert Funk and Roy Hoover, The Five Gospels: The Search for the Authentic Words of Jesus (New York: Maxwell Macmillan, 1993).

6. Por exemplo: Genesis 3:16; 1 Coríntios 14:33–35; 1 Timóteo 2:8–15.

7. Daniel J. Estes, “Audience Analysis and Validity in Application,” Bibliotheca Sacra 150 (April-June 1993): 219–29.

8. Ibid., 224.

9. Ibid.

10. John Bright, The Authority of the Old Testament (Nashville: Abingdon, 1967), 152. Para uma tentativa desesperada e completamente insatisfatória de defender que as leis do Antigo Testamento ainda são relevantes, veja Joe M. Sprinkle, Biblical Law and Its Relevance: A Christian Understanding and Ethical Application for Today of the Mosaic Regulations (Lanham, MD: University Press of America, 2006).

11. Abstemo-nos de dizer “100 porcento” porque há uma minoria de acadêmicos cristãos cientes de que as Bíblias contemporâneas são construções que guardam pouca semelhança com “o original”.

Read Full Post »

por Sam Harris

A questão do livre-arbítrio permeia praticamente tudo com o que nos importamos. Moralidade, direito, política, religião, políticas públicas, relações intímas, sentimentos de culpa e realização pessoal – a maior parcela do que é distintivamente humano em nossas vidas parece depender de vermos uns aos outros como pessoas autônomas, capazes de escolhas livres. Se a comunidade científica declarasse o livre-arbítro uma ilusão, ela precipitaria uma guerra cultural muito mais beligerante do que a que tem sido travada a respeito da evolução. Sem o livre-arbítrio, pecadores e criminosos não passariam de mecanismos precariamente calibrados, e qualquer concepção de justiça que enfatizasse sua punição (em vez de sua dissuasão, reabilitação, ou apenas sua contenção) pareceria completamente incongruente. E aqueles de nós que trabalham duro e seguem as regras não “mereceríamos” nosso sucesso em qualquer sentido relevante. Não é por acaso que a maioria das pessoas acha estas conclusões repugnantes. As apostas são altas.

Na manhã do dia 23 de julho de 2007, Steven Hayes e Joshua Komisarjevsky, dois criminosos reincidentes, invadiram a residência do casal William e Jennifer Petit em Cheshire, um bairro pacato na região central de Connecticut. Eles encontraram o dr. Petit adormecido sobre um sofá na varanda. De acordo com sua confissão gravada, Komiisarjevsky deteve-se diante do homem adormecido por alguns minutos, hesitando, antes de acerta-lo na cabeça com um bastão de baseball. Ele afirmou que os gritos de sua vítima desencadearam algo em seu interior, e ele golpeou Petit com toda sua força até que ele caísse silencioso.

Os dois então amarraram as mãos e os pés de Petit e subiram as escadas para vasculhar o resto da casa. Eles encontraram Jennifer Petit e suas filhas – Hayley, de 17 anos, e Michaela de 11 – ainda adormecidas. Eles acordaram todas as três e imediatamente amarraram-nas às suas camas.

Às 7:00, Hayes foi a um posto de gasolina e comprou quatro galões de gasolina. Às 9:30, ele levou Jennifer Petit até uma agência bancária e a fez sacar 15 000 dólares em dinheiro. A conversa entre Jennifer e o caixa sugere que ela não tinha conhecimento das agressões que seu marido sofrera e acreditava que seus algozes libertariam a família ilesa.

Enquanto Hayes e a mãe das garotas estavam ausentes, Komisarjevsky distraiu-se tirando fotos de Micaela nua e se masturbando diante da garota. Quando Hayes retornou com Jennifer, os dois homens dividiram o dinheiro entre si e ponderaram brevemente o que fariam em seguida. Eles decidiram que Hayes levaria Jennifer para a sala de estar e a estupraria – o que ele de fato fez. Ele então a estrangulou, para a aparente surpresa de seu comparsa.

A esta altura, os dois homens observaram que William Petit se desvencilhara das cordas com que fora amarrado e fugira. Eles começaram a entrar em pânico. Eles rapidamente encharcaram a casa com gasolina e a incendiaram. Quando interrogados pelos policiais porque razão eles não desamarraram as duas garotas de suas camas antes de acender as chamas, Komisarjevsky disse, “Isso nem me passou pela cabeça”. As garotas morreram sufocadas. William Petit foi o único sobrevivente do ataque.

Ao ouvir sobre crimes deste tipo, a maioria de nós naturalmente sente que homens como Hayes e Komisarjevsky deveriam ser considerados moralmente responsáveis por suas ações. Estivéssemos nós próximos da família Petit, a maioria de nós se sentiria perfeitamente justificada em matar estes monstros com as próprias mãos. Faz alguma diferença para nós que Hayes tenha desde então mostrado indícios de remorso e tentado suicídio? Não realmente. E o que dizer sobre o fato de que Komisarjevsky tenha sido violentado repetidamente quando criança? Segundo seus registros, até onde ele era capaz de se lembrar, ele sabia que era “diferente” das outras pessoas, psicologicamente lesado, e capaz de uma grande frieza. Ele também afirmou ter ficado chocado com seu próprio comportamento na residência da família Petit: ele era um ladrão profissional, não um assassino, e ele não tencionara conscientemente matar ninguém. Detalhes desta natureza podem nos fazer hesitar.

Como veremos, a questão não é se podemos confiar na sinceridade dos relatos de sentimentos e intenções de criminosos como Hayes e Komisarjevsky: sejam lá quais tenham sido seus motivos conscientes, estes homens não podem saber porque eles são como são. Tampouco podemos explicar porque não somos como eles. Não importa o quão doentio eu pense que seus comportamentos sejam, sou obrigado a admitir que se eu trocasse de lugar com um destes homens, átomo por átomo, eu seria este homem: não há nenhuma parcela adicional de mim mesmo que poderia decidir ver o mundo de forma diferente ou resistir ao impulso de agredir outras pessoas. Mesmo se você acreditar que todo ser humano abriga uma alma imortal, o problema da responsabilidade permanece: não posso receber o crédito pelo fato de não possuir a alma de um psicopata. Houvesse eu verdadeiramente estado nos sapatos de Komisarjevsky em 23 de julho de 2007 – isto é, se eu tivesse seus genes, sua experiência de vida e um cérebro (ou alma) idêntico num estado idêntico – eu teria agido exatamente como ele agiu. Não existe absolutamente nenhuma posição intelectualmente respeitável da qual negar isto. O papel da sorte, portanto, parece decisivo.

Naturalmente, se descobríssemos que ambos estes homens sofrem de tumores cerebrais que explicam seu comportamento violento, nossas intuições morais se alterariam dramaticamente. Mas desordens neurológicas parece ser apenas um caso especial de eventos físicos produzindo pensamentos e ações. Compreender a neurofisiologia do cérebro, portanto, pareceria ser tão ilibatório quanto descobrir um tumor nele. Como podemos dar sentido a nossas vidas e manter as pessoas responsáveis por suas escolhas, considerando-se as origens inconscientes de nossas mentes conscientes?

O livre-arbítrio é uma ilusão. Simplesmente não somos os criadores de nossas vontades. Pensamentos e intenções emergem de causas de fundo das quais estamos inconscientes e sobre as quais não exercemos nenhum controle consciente. Não possuímos a liberdade que pensamos possuir.

O livre-arbítrio é na verdade mais do que uma ilusão (ou menos), no sentido de que ele não pode sequer ser tornado conceitualmente coerente. Ou nossas vontades são determinadas por causas anteriores e não somos responsáveis por elas, ou elas são o produto do acaso e não somos responsáveis por elas. Se a decisão de um homem de balear o presidente é determinada por certo padrão de atividade neural, que por sua vez é o produto de causas anteriores – talvez uma desafortunada coincidência de genes ruins, uma infância infeliz, noites mal dormidas e bombardeamento por raios cósmicos – o que pode possivelmente significar que sua vontade é “livre”? Ninguém jamais descreveu um modo pelo qual processos físicos e mentais poderiam surgir que atestaria a existência de tal liberdade. A maioria das ilusões assenta-se sobre bases menos frágeis do que esta.

A concepção popular do livre-arbítrio parece repousar sobre duas pressuposições: (1) que cada um de nós poderia ter se comportado diferentemente de como efetivamente se comportou no passado, e (2) que somos a fonte consciente da maior parte de nossos pensamentos e atos no presente. Como estamos prestes a ver, contudo, ambas as pressuposições são falsas.

Mas a verdade mais profunda é que o livre-arbítrio não corresponde sequer a qualquer fato subjetivo sobre nós – e a introspecção logo prova ser tão hostil à idéia quanto as leis da física o são. Volições aparentes surgem de maneira meramente espontânea (se causadas, incausadas ou probabilisticamente propensas não faz diferença alguma) e não podem ser rastreadas até um ponto de origem em nossas mentes conscientes. Um momento ou dois de auto escrutínio sério, e você poderá observar que não decide mais o próximo pensamento a ocorrer em sua mente do que a próxima ideia que escreverei.

Read Full Post »

por Richard Carrier

A partir de fatos solidamente estabelecidos é necessariamente o caso que cada ser humano compartilha com todos os outros seres humanos algum subconjunto de fatos verdadeiros do mundo (aspectos ambientais, mentais e corporais em comum, em virtude de partilharem a mesma biologia e habitarem o mesmo universo) e algum subconjunto de desejos inatos (decorrentes de uma biologia e de vários aspectos da experiência consciente compartilhados). Consequentemente, é possível que o que cada indivíduo mais quer (quando racional e suficientemente informado) será o mesmo que todos os outros querem – caso em que fatos morais universais necessariamente existem. Pois nessas circunstâncias todos (quando racionais e suficientemente informados) desejarão a mesma coisa acima de tudo, e como a obtenção da mesma coisa nas mesmas circunstâncias depende de fatos do universo que são universalmente os mesmos para todos nessas mesmas circunstâncias, os mesmos imperativos morais são factualmente verdadeiros para todos. Precisamos apenas descobrir quais são estes imperativos. (Nota do Tradutor: o teólogo Richard Swinburne concorda, como atestam estas páginas de seu livro The Existence of God.)

Somente se o que um indivíduo mais deseja (quando racional e suficientemente informado) diferir do que todos os demais desejam este não será o caso. Então, um conjunto diferente de fatos morais será verdadeiro para cada um deles (não obstante, ainda assim fatos morais verdadeiros continuam a existir; mais uma vez, eles apenas serão relativos a diferentes grupos ou indivíduos). Mas esse resultado é altamente improvável para membros da mesma espécie. Isto porque quando racional e suficientemente informado, qualquer indivíduo preferirá obedecer a desejos racionalmente informados em detrimento de todos os outros desejos, fato este que sempre implica a descoberta de que certos desejos são instrumentalmente necessários para a obtenção de qualquer outra coisa que alguém deseje, e em virtude de uma mesma biologia fundamental (em oposição à incidental) compartilhada e do mesmo ambiente (incluindo o ambiente social – porque, afinal, ainda temos que viver uns com os outros), todos compartilham um conjunto de desejos instrumentalmente necessários e derrogatórios que em virtude de serem necessários e derrogatórios devem ser obedecidos acima de todos os outros, e que por definição implicam um sistema moral comum.

Desejos racionalmente esclarecidos (mesmo antes de se tornarem racionalmente esclarecidos) podem vir a existir apenas de duas maneiras: a partir da biologia fundamental ou a partir de condicionamentos ambientais (o que inclui escolhas deliberadas).[39] Como consequência do escrutínio de todos os nossos desejos a fim de nos cientificarmos de todos os fatos relevantes, podemos então escolher racional e esclarecidamente obedecer a um desejo condicionado na medida em que tal desejo, em última análise, satisfaça um desejo biológico inalterável ou tenha êxito em lidar com uma condição inalterável de nosso ambiente. Isto porque qualquer coisa alterável podemos alterar em vez de obedecer, de modo que qualquer coisa que devemos obedecer sempre ultrapassará qualquer coisa que não precisamos obedecer. Consequentemente as condições inalteráveis de nossa biologia ou de nosso ambiente sempre nos compelirão a querer algo mais. Em outras palavras, sempre existe algum enunciado verdadeiro “Eu preciso de x“, e para qualquer pessoa racionalmente esclarecida, “Eu preciso de x” sempre implica querer x mais do que z sempre que duas condições são satisfeitas: x implica ~z e “Eu quero, mas não necessito de, z.” Se x não implica ~z, então não há nenhum conflito (consequentemente desejos incidentais não fazem diferença nenhuma para os fatos morais fundamentais – veja na próxma parte o exemplo das “alergias”). Mas quando há um conflito, o que é necessário sempre vem em primeiro lugar, e assim a alternativa não pode ser um imperativo moral. E como isto adicionalmente implica que necessidades podem ser suplantadas somente por outras necessidades, somente necessidades (as quais são desejos inalteráveis que são fundamentalmente ou instrumentalmente necessários) podem ser fundamentos de um sistema moral verdadeiro. E necessidades somente são implicadas por constantes inalteráveis (de nossa biologia ou de nosso ambiente); caso contrário, por serem alteráveis, elas não deixam de ser necessárias (porque ao altera-las podemos remover sua necessidade).

Por conseguinte, o que queremos acima de tudo (quando racionais e suficientemente esclarecidos) sempre será implicado por, e somente por, fatos biológicos inalteráveis ou fatos ambientais inalteráveis. Mas seres humanos, em virtude de suas origens e de sua contínua miscigenação, não exibem diferenças biológicas no que concerne a seus desejos fundamentais, inalteráveis e instrumentalmente necessários. De fato, isso seria extraordinariamente improvável (em virtude da extrema variabilidade genética que tal fato exige, a qual não pode ser alcançada por mutações aleatórias, exceto com uma raridade tão extraordinária que podemos esperar nunca encontrar uma pessoa assim em dezenas de milhões de anos). Por exemplo: todos precisamos comer, respirar, nos movimentar, pensar, e cooperar e socializar numa comunidade; geralmente as mesmas coisas são letais ou prejudiciais para todos nós (fisicamente e em alguns casos emocionalmente, tais como os efeitos cientificamente documentados da solidão e da privação afetiva); todos podemos construir uma autoconsciência deliberada quando saudáveis e despertos; todos possuímos neurônios-espelho e confiamos em teorias inatas da mente para entender outras pessoas (a menos que sejamos mentalmente incapazes, mas mesmo a maioria dos autistas, por exemplo, pode aprender uma teoria da mente e aplica-la em seu processo de tomada de decisões, e como o resto de nós eles ainda precisam ser bem-sucedidos ao transitar em seu mundo social).[40] E assim por diante.

Felicidade e alegria, portanto, dependem de uma combinação de fatos biológicos universais compartilhados por todos os seres humanos. Mesmo o que já se pensou ser uma exceção a esta regra (psicopatas) já foi demonstrado não ser: apesar de serem cognitivamente anormais, quando fazem depoimentos sinceros e são suficientemente informados das diferenças entre suas vidas e seus estados mentais e os dos não-sociopatas, eles sempre reconhecem que são profundamente insatisfeitos e admitem desejar mais do que tudo serem pessoas diferentes; todavia, são incapazes de obter o que mais desejam devido a seus defeitos cognitivos. Portanto, (quando plenamente racionais e esclarecidos) eles não “desejam acima de tudo” qualquer coisa fundamentalmente diferente do que nós desejamos, eles apenas são incapazes de alcança-la. E eles não são incapazes de alcança-la devido a um obstáculo externo a seu raciocínio, mas como consequência de um defeito em seu raciocínio.[41] Eles são, portanto, inescapavelmente irracionais, que é a razão pela qual eles são classificados como insanos. Nossa incapacidade de persuadi-los racionalmente a serem morais é exatamente a mesma incapacidade que temos de persuadir racionalmente um esquizofrênico. E o fato de que lunáticos não podem ser racionalmente persuadidos não constitui um defeito numa teoria moral.

Como nossos desejos biológicos primários (primários significando os que são fundamentais, inalteráveis ou instrumentalmente necessários) não podem diferir frequentemente, e portanto não produzem diferenças em nossos desejos mais derrogatórios, isso deixa as diferenças ambientais inalteráveis. Mas estas não fazem nenhuma diferença para uma moralidade universal. Por serem inalteráveis, elas constituem condições a que um agente é forçado a se sujeitar. Como os fatos morais dependentes de um contexto (como qualquer imperativo hipotético deve ser, isto é, as condições de verdade exigidas implicam que o fim deve ser alcançável pela ação prescrita, que sempre dependerá do contexto), quando fatos ambientais inalteráveis implicam querer alguma coisa mais do que aquelas que num ambiente diferente não serão desejáveis acima de tudo, esta conclusão já é implicada por qualquer sistema de moralidade universal. Isto é, qualquer sistema de fatos morais verdadeiros já incluirá o fato de que, se fôssemos forçados nas mesmas condições, seríamos compelidos pelos mesmos imperativos que então vigoram. Em outras palavras, que uma pessoa possa querer mais alguma outra coisa na condição C do que na condição D não implica que fatos morais diferentes vigoram, porque neste caso o imperativo difere somente em relação às condições individuais, não em relação a quaisquer desejos que ainda vigorariam na ausência daquelas condições, e todos os fatos morais são relativos às condições.

Mesmo o mais inflexível cristão conservador reconhecerá que as condições podem alterar o que é moralmente correto fazer, e em última análise até mesmo Kant seria obrigado a concordar. Seu imperativo categórico implicou que devemos “agir somente de acordo com a máxima pela qual você pode ao mesmo tempo querer que se torne uma lei universal”, e nós certamente desejamos que seja uma lei universal que sempre que uma uma exceção apareça, nosso comportamento deve adaptar-se a ela. Por exemplo, matar em autodefesa: jamais desejaríamos que fosse uma lei universal uma proibição grosseira contra matar, exatamente porque sabemos que podemos ter que matar um assassino em potencial em nossa própria defesa. Portanto, antes desejaríamos que fosse uma lei universal uma proibição contra matar apenas em certas circunstâncias, com permissão para matar em outras. Portanto, nós incorporamos diferenças nas condições, mesmo numa lei moral universal. Por conseguinte, porque desejaríamos que fosse uma lei universal que uma pessoa numa condição C deveria querer mais uma coisa, mas numa condição D deveria querer mais alguma outra coisa, exatamente porque essa pessoa não pode alterar essas condições, diferenças no desejo supremo implicadas por fatores ambientais inalteráveis não fazem a menor diferença para a existência de fatos morais universais.

Como a biologia jamais criará um conjunto diferente de fatos morais para qualquer indivíduo humano (exceto tão raramente a ponto de ser insignificante), e o ambiente não é capaz de criar um conjunto diferente de fatos morais para qualquer indivíduo humano (porque, como demonstrado, tal efeito é logicamente impossível), e estas são as únicas fontes possíveis para tal diferença (sendo as únicas fontes possíveis de uma diferença racionalmente esclarecida num desejo supremo), segue a conclusão de que fatos morais universais devem existir necessariamente (para todos ou, no mínimo, para quase todos os seres humanos).[42]

Notas.

39. Acredito que a ciência estabeleceu uma mais do que abraangente explicação da motivação humeana (Carrier, Sense and Goodness, 193-197, para a discussão e a bibliografia cientifica), e todas as objeções filosóficas a isso foram competentemente liquidadas por Neil Sinhababu, “The Humean Theory of Motivation Reformulated and Defended,” Philosophical Review 118, no. 4 (2009): 465–500 (embora ele ocasionalmente confunda a fenomenologia do desejo com a mecânica lógica do desejo, isto interfere apenas em sua habilidade para unificar o internalismo e o cognitivismo; o restante de seu argumento permanece correto mesmo utilizando minha definição de desejo exposta na nota 4). Não obstante, minha teoria moral conforme enunciada aqui é compatível tanto com explicações humeanas quanto com não-humeanas da motivação moral (por exemplo, “Quando racional e suficientemente esclarecido, você desejará x mais do que ~x” não pressupõe de onde este desejo por x se origina, somente que ele sobreviverá a um exame racional).

40. Sobre teorias da mente inatistas ou empiristas e seu papel no autismo, veja Simon Baron-Cohen, Mindblindness: An Essay on Autism and Theory of Mind (Cambridge, MA: MIT Press, 1995).

41. Veja a discussão e as fontes em Carrier, Sense and Goodness, 342–44; e em Sinnott-Armstrong, Moral Pyschology, 1:390, 3:119–296, 363–66, 381–82. Todavia, sua insanidade não significa que os psicopatas possuem uma desculpa, pois quando agem imoralmente eles geralmente ainda sabem que o que estão fazendo é errado (veja a nota 35). E mesmo quando não sabem, como os esquizofrênicos, ainda precisamos dete-los e nos proteger deles.

42. Eis a prova formal dessa afirmação:

ARGUMENTO 4: EXISTE UM SISTEMA MORAL VERDADEIRO PARA PRATICAMENTE TODOS OS SERES HUMANOS

Definições:

CH = o resultado ou conjunto de resultados possíveis que praticamente todos os membros da espécie humana desejariam acima de qualquer outro resultado possível (nas mesmas circunstâncias).

TL = o sistema moral implicado pelo resultado ou conjunto de resultados possíveis que
L deseja acima de qualquer outro resultado possível.

THo sistema moral implicado pelo resultado ou conjunto de resultados possíveis que praticamente todos os membros da espécie humana desejam acima de que qualquer outro resultado possível.

U = um sistema moral aproximadamente universal.

BDa biologia fundamental de difere da do resto da espécie humana no que diz respeito à determinação do que é maximamente desejável quando racional e suficientemente informado.

~BDsomente alguma outra das circunstâncias de L que não a biologia fundamental difere da do resto da espécie humana no que diz respeito à determinação do que é maximamente desejável quando racional e suficientemente informado, ou então nenhuma diferença.

EXCL é incrivelmente excepcional entre os humanos por possuir uma biologia que determina diferentemente o que é maximamente desejável quando racional e suficientemente informado.

VNB = praticamente todos os membros da espécie humana não tem uma biologia que determina diferentemente o que é maximamente desejável quando racional e suficientemente informado.

VNA = o resultado ou conjunto de resultados possível que praticamente qualquer membro da espécie humana deseja acima de que qualquer outro resultado possível.

MVNA = resultados que praticamente qualquer membro da espécie humana deseja acima de qualquer outro resultado possível.

MH = o sistema moral implicado pelo resultado ou conjunto de resultados que praticamente todos os membros da espécie humana desejam acima de qualquer outro resultado possível.

Argumento:

4.1 Se D vigora, então C é ou CH ou ~CH. (e a partir de 3.2, se existe D, então existe C)

4.2 Se C é CH, então TL é TH. (e a partir de 3.7, se L e D, então TL)

4.3 Se TL é TH, então existe U.

4.4 Portanto, se C é CH, então U existe.

4.5 Se C é ~CH, então ou BD ou ~BD.

4.6 Se ~BD, então se D vigora, então C é CH.

4.7 Portanto, se ~BD, então se D vigora, então U existe. (isto é, se 4.4 e 4.6, então 4.7)

4.8 Se BD, então EXC.

4.9 Se EXC, então VNB.

4.10 Se VNB, então se D vigora, então VNA é CH.

4.11 Se VNA é CH, então MVNA é MH.

4.12 Se MVNA é MH, então U existe.

4.13 Portanto, se D vigora, então se BD, então existe U. (isto é, se BD, então EXC; e se EXC, então VNB; e se VNB, então se D vigora, VNA é CH; e se VNA é CH, então MVNA é MH e se MVNA é MH, então existe U; portanto, se BD e D vigoram, então existe U)

4.14 Portanto, ou C é CH ou C é ~CH; se C é CH, então existe U, e se C é ~CH, então ou BD ou ~BD; e se ~BD e D vigoram, então U existe; e se BD e D vigoram, então U existe; portanto, se ~CH e D vigoram, então U existe; portanto, se D e C vigoram, então U existe.

4.15 Portanto, se D vigora, então U existe. (isto é, se 3.2 e 4.14, então 4.15)

Portanto, quando o que qualquer um deseja é racionalmente deduzido do máximo possível de fatos verdadeiros razoavelmente alcançáveis concernentes a todas as suas preferências e do resultado total de cada comportamento que lhe seja possível nas mesmas circunstâncias, existe um sistema moral aproximadamente universal.

Esta é a prova formal de que estes fatos morais são cientificamente acessíveis:

ARGUMENTO 5: QUE A CIÊNCIA PODE DESCOBRIR EMPIRICAMENTE O VERDADEIRO SISTEMA MORAL

5.1 Existe T se existe B e D e W (isto é, se 1.8, 3.2, 3.3 e 3.7, então 5.1)

5.2 Portanto, T é plenamente implicado para qualquer L pelos “fatos verdadeiros” acerca de “todas as suas preferências” e do “resultado total” de “cada comportamento que lhe seja possível nas mesmas circunstâncias” e de qual “comportamento cujo resultado ele deseja acima de qualquer outro” até onde “ele possa razoavelmente” conhecer nestas circunstâncias.

5.3 Os “fatos verdadeiros” para qualquer L acerca de “todas as suas preferências” e o “resultado total” de “cada possível comportamento que lhe seja possível nas mesmas circunstâncias” e qual “comportamento cujo resultado ele deseja acima de qualquer outro resultado” (tanto quanto “ele possa razoavelmente” conhecer nestas circunstâncias) são todos fatos empíricos.

5.4 A ciência pode descobrir quaisquer fatos empíricos para os quais ela desenvolva métodos capazes de investiga-los.

5.5 Portanto, se a ciência pode desenvolver os métodos requeridos, então a ciência pode descobrir os “fatos verdadeiros” para qualquer L no que concerne a “todas as suas preferências” e ao “resultado total” de “cada comportamento que lhe seja possível nas mesmas circunstâncias” e qual o “Comportamento cujo resultado ele deseja mais do que qualquer outro resultado” tanto quanto “ele possa razoavelmente” saber nestas circunstâncias.

5.6 A ciência pode desenvolver os métodos requeridos (ao menos até certo ponto).

5.7 Portanto, a ciência pode descobrir T (o sistema moral verdadeiro) pelo menos até certo ponto.

Read Full Post »

por Richard Carrier

Demonstrei que fatos imperativos são empiricamente detectáveis pela ciência (e são simplesmente fatos da natureza como qualquer outro, dispensando qualquer pressuposto religioso), e demonstrei que os únicos fatos morais possíveis que podem reivindicar minimamente serem verdadeiros num sentido relevante devem ser da mesma espécie que todos os outros fatos imperativos e, portanto, devem ser, também, empiricamente acessíveis por métodos científicos. Também citei diversos filósofos concordando comigo em ambos os pontos, portanto não estou sozinho. Resta apenas uma pergunta: Tais fatos morais existem?

Defini os fatos morais verdadeiros como proposições imperativas que devemos efetivamente obedecer acima de todos os outros imperativos, e até onde qualquer um foi capaz de demonstrar, isto significa que um imperativo moral é um imperativo hipotético que suplanta todos os outros imperativos. Em outras palavras, “fatos morais verdadeiros” são coisas que devemos fazer acima de tudo o mais, tal que quando confrontados por dois imperativos conflitantes, devemos satisfazer o imperativo moral em detrimento de qualquer outro imperativo.[33] Outros filósofos podem definir de modo implícito ou explícito “fatos morais”, “moral”, ou “moralidade” da maneira que melhor lhes aprouver; mas na medida em que o fazem, eles não mais estão falando sobre o que, por uma questão efetivamente factual, mais devemos fazer – a menos, é claro, que seja, caso em que eles estão definindo a moralidade exatamente como eu estou fazendo aqui (seja lá o que eles imaginem que estão fazendo). Portanto, ou é uma ou a outra. E como somente nos importamos com aquilo que, por uma questão efetivamente factual, mais devemos fazer (e não com outras coisas que não carregam razões motivadoras suficientes para que as façamos em detrimento daquilo com que nos importamos), essa é a única definição de moralidade que possui qualquer relevância para nossa conduta real.

Isto pode ser constatado na prática. Se qualquer grupo ou indivíduo S identifica x como moral, mas é demonstrado que S deve fazer y em vez de x, então observaremos o seguinte: ou S certamente concluirá que x não é, tudo considerado, realmente moral, mas antes que y é moral, defendendo assim que y é o que S mais deve fazer; ou S negará que S deve fazer y em vez de x argumentando que eles devem fazer x em vez de y, defendendo assim que x é o que S mais deve fazer. Ambas as respostas simplesmente confirmam sua aceitação implícita de minha definição de fatos morais. E mesmo se S rejeitar essa definição, eles não podem evitar os fatos por renomea-los. Se x realmente é o que eles mais devem fazer, chamar y de “moral” ainda não dá a S qualquer razão suficientemente motivadora para fazer y em vez de x (além, é claro, de uma razão que é ou irracional ou desinformada, e portanto equivocada).

Todo ser humano, por definição, sempre deseja alguma coisa acima de qualquer outra coisa. Mesmo se eles na verdade desejarem acima de tudo o mais várias coisas igualmente, essas coisas constituem, coletivamente, o que eles mais querem acima de qualquer outra coisa. E quando racionais e suficientemente informados, o que eles mais querem será, efetivamente, o que eles devem querer mais:

1. Se você assumir querer sobretudo B, então x ocorrerá; caso contrário, ~x ocorrerá.
2. Quando racional e suficientemente informado, você quererá x mais do que ~x.
3. Se quando racional e suficientemente informado você desejará x mais do que ~x (e se e somente quando você quiser sobretudo B, x ocorrerá), então você deve querer sobretudo B.
4. Portanto, você deve querer sobretudo B.

Segue necessariamente que de todas as coisas que podemos realmente alcançar, uma delas (ou um subconjunto delas) nós desejaremos acima de qualquer outra.[34]

Uma vez que qualquer coisa que desejemos acima de todas as outras implica um imperativo hipotético (em virtude de seu fim ser mais preferível do que qualquer outro fim alcançável), e um imperativo hipotético que suplanta todos os outros imperativos é por definição um imperativo moral, segue-se necessariamente que imperativos morais verdadeiros existem (e apenas aguardam por serem descobertos). Portanto, fatos morais verdadeiros existem, [35] e existem independentemente da crença ou da opinião humana – porque podemos estar enganados acerca do que mais queremos, e assim acerca do que devemos fazer acima de tudo, por ignorarmos os fatos verdadeiros ou raciocinarmos falaciosamente a partir destes fatos. Isto é demonstrado pela observação de que o que mais queremos muda tão logo nos tornamos racionais e esclarecidos.[36] Com efeito, a deliberação e a informação muitas vezes alteram nossos desejos, e isso prova que podemos estar errados sobre o que realmente desejamos.

Mesmo as alegadas exceções não o são realmente. Por exemplo, uma vez que uma pessoa se torne plenamente informada das consequências e ainda assim continua a fumar, não vemos nenhuma mudança no que tal pessoa mais deseja. Sua decisão então implica que fumar é mais desejado do que o cancelamento consequências deste hábito; mas esse desejo pode resultar somente de uma reflexão irracional (uma condição às vezes chamada de akrasia. Porque o benefício de evitar as consequências sobrepuja verdadeiramente e em larga escala os benefícios banais do hábito de fumar – tanto mais quanto esses mesmos benefícios podem ser obtidos por outros meios – e é irracional preferir o que é bem mais dispendioso quando tudo o mais permanece igual. Isto é, a menos, é claro, que preferir o que é bem mais dispendioso quando tudo o mais permanece igual seja realmente o que você mais deseja na vida. Mas se esse fosse o caso, então por definição tal pessoa efetivamente desejaria todas as terríveis consequências do hábito de fumar, e isto então não mais seria uma exceção à regra assim estabelecida (desde que o fumante nunca tenha estado enganado sobre o que ele mais quis).[37]

A situação não é diferente em casos de auto-sacrifício. Se, por exemplo, uma mãe dá sua própria vida para salvar sua filha, será alegado que ela escolheu contrariando seu maior desejo (que presumivelmente era viver, assim como continuar a buscar sua meta de felicidade pessoal), mas essa jamais pode ser uma descrição inteligível do que aconteceu. Se a mãe realmente desejasse continuar vivendo para buscar sua própria felicidade, então, por definição, isso é o que ela deveria ter feito. Que ela não o tenha feito implica que ela quis acima de tudo perder sua vida para salvar a de sua filha. Pode então ser objetado que tal decisão foi errada na ocasião, mas isso não se segue automaticamente (ela pode de fato ter sido mais feliz morrendo do que vivendo sem ter salvado sua filha), e mesmo se isso fosse verdadeiro, então isso simplesmente é verdadeiro, e a mãe não deveria ter feito isso. Ela deveria ter deixado sua filha morrer. Nossa repugnância a esse fato não o torna falso. De fato, a repugnância que sentimos em tal situação é tão errônea quanto a de alguém que abomina as liberdades concedidas às mulheres ou a libertação dos escravos. Deveríamos então em vez disso elogiar e aplaudir a recusa de uma mãe em se autossacrificar, assim como agora aplaudimos a concessão de liberdades às mulheres e a libertação dos escravos, como sendo de fato a decisão moralmente correta, cuja ampla compreensão não produzirá nenhum ressentimento, nem mesmo na filha (Ocorre-me o caso de um soldado que esperava completamente ser abandonado pelo bem de sua unidade, e julgava ser profundamente errado que sua unidade procedesse de modo contrário). De um jeito ou de outro, ainda existe algum fato moral verdadeiro sobre o assunto, e ele ainda é implicado pelo que mais queremos (quando racionais e suficientemente esclarecidos). E de posse das evidências empíricas incontestáveis desse fato, nenhum argumento racional poderia ser construído em favor de qualquer moralidade alternativa além de apelos falaciosos à emoção, à tradição, ou seja lá em que você se apóie.

A conclusão ainda segue: o certo é o que mais queremos quando racionais e esclarecidos.[38] Mas isto estabelece apenas uma versão realista do relativismo moral: deve existir necessariamente uma moralidade factualmente verdadeira no mínimo para cada indivíduo, que ainda pode diferir de indivíduo para indivíduo (ou grupo para grupo). Em tal situação, a verdade moral é relativa ao indivíduo (ou ao grupo de indivíduos dotado das mesmas propriedades relevantes). Não obstante, isto não altera o fato de que para qualquer indivíduo deve existir necessariamente um moralidade factualmente verdadeira que não é o mero produto de sua crença ou opinião (por conseguinte não é meramente subjetiva, e certamente não antirrealista), mas é produzida inteiramente por fatos naturais (seus desejos inatos e os fatos do mundo com os quais deve-se entrar em harmonia para realizar esses desejos, que são ambos fatos objetivos reais). De qualquer maneira, pode ser demonstrado que tal relativismo moral absoluto é falso, que existem fatos morais verdadeiros que vigoram independentemente de diferenças individuais ou culturais, e portanto são fatos morais universais.

Notas.

33. Naturalmente alguém pode perguntar o que fazer se existem imperativos morais conflitantes: bem, ou (a) um será o mais imperativo e portanto prevalecerá ou (b) nenhum deles será o mais imperativo, caso em que não haverá nenhuma verdade de fato em relação a qual deve ser preferido (isto é, fazer qualquer deles será exatamente tão moral quanto fazer o outro – embora ainda exclua tudo o mais). Se qualquer argumento válido e sólido contrariando (b) puder ser construído, então esse argumento necessariamente implica (a) (isto é, que um deles é mais imperativo do que o outro, e portanto (b) não é verdadeiro).

34. Objetos de desejo inalcançáveis estão, obviamente, fora de consideração precisamente porque não há nenhuma ação que podemos empreender para obte-los, e por conseguinte nenhum fato imperativo verdadeiro que nos concerna em relação a tais objetos inalcançáveis. Mas esta distinção é aplicável apenas ao absolutamente inalcançável (por exemplo, deter um disparo de arma de fogo com as mãos), não o contingentemente inalcançável (por exemplo, fracassar em encontrar um abrigo quando encontrar um abrigo era em princípio algo realizável). O livre-arbítrio, portanto, não é um problema. A distinção é entre falhas de cálculo e falhas insuperáveis por qualquer cálculo (que são estados diferentes, independentes do livre-arbítrio) porque (a) cálculos aperfeiçoados podem corrigir um mas não o outro e (b) o primeiro é um produto causal do caráter que desejamos avaliar enquanto o outro não é (veja Carrier, Sense and Goodness, 97-117).

35. Dadas as provas formais no apêndice, isto implica que os fatos morais são tais que: “S deve moralmente fazer A” significa “Se os desejos de S são racionalmente deduzidos a partir do máximo possível de fatos que S pode razoavelmente obter no momento (sobre as preferências de e os resultados das alternativas disponíveis a S nas circunstâncias em que S se encontra), então S preferiria A em detrimento de todos os cursos de ação alternativos (naquele momento e naquelas circunstâncias).” Esta definição efetivamente torna a irracionalidade voluntária imoral, mas não a irracionalidade que resulta (a) de defeitos mentais incorrigíveis (porque fins inalcançáveis jamais podem ser imperativos  para S – veja a nota 34) ou (b) informações inacessíveis (porque nestas circunstâncias S age apropriadamente a partir de todas as informações razoavelmente adquiríveis no momento – veja a nota 28). Não obstante, embora a irracionalidade em si possa ser moralmente desculpável em ambos os casos, ações irracionais ainda podem ser moralmente condenáveis mesmo para tais pessoas, na medida em que elas saibam que o que estão fazendo é errado mesmo assim, ou que elas tenham acesso razoável a fatos que as teriam informado que era (mesmo considerando-se sua irracionalidade), visto que nessas circunstâncias o fim moral (e o conhecimento disso) era alcançável e ainda assim foi negligenciado (portanto uma falha de cálculo, não de calculabilidade). Não obstante, a escusabilidade existe em princípio, portanto podemos às vezes reconhecer que as pessoas estão “agindo moralmente” embora pudessem ter agido melhor se dispusessem de melhores conhecimentos (veja a nota 28 sobre o conhecimento moral ideal). Inversamente, possuímos um grande interesse emocional e institucional em ações de outros cuja generalização ou continuidade possa nos colocar ou a pessoas com quem nos importamos em risco (e portanto nós muitas vezes exclamamos “afronta moral” diante de tais atos), mas que certas falhas morais nos sejam de grande relevância não significa que ações menos relevantes não sejam também falhas morais. Uma lógica similar torna supérfluas ações possíveis (ações que não são moralmente obrigatórias mas não obstante louváveis). Elogios e censuras portanto referem-se somente ao que nos agrada ou desagrada, não necessariamente ao que é certo e errado (conquanto ainda possa haver o certo e o errado sobre o que elogiar e o que censurar).

36. Alguém pode objetar que talvez nós devemos ser irracionais e desinformados, mas a conclusão de que quando somos racionais e informados nós desejaríamos x se seguiria. Somente se nestas circunstâncias x fosse “ser irracional e/ou ignorante nas circunstâncias z” seria verdadeiro que devemos ser irracionais e ignorantes, e mesmo assim essa conclusão somente pode ser obtida se somos racionais e informados quando chegamos a ela. Porque para que um imperativo para buscar x ser verdadeiro, seja lá o que for que mais desejemos deve efetivamente ser melhor alcançado obedecendo x, embora seja improvável que alcancemos essa conclusão sendo irracionais e ignorantes. Tal abordagem é muito improvável de esclarecer o que verdadeiramente melhor realiza nossos desejos (como se tal esclarecimento pudesse ser atingido acidentalmente). Portanto, qualquer conclusão alcançada considerando o que x é deve ser ou racional e informada ou provavelmente falsa. Ergo, para alcançar qualquer coisa que desejemos, devemos nos empenhar em sermos racionais e esclarecidos.

37. “Fraqueza da vontade” é consequentemente apenas uma preferência irracional por uma coisa em detrimento de outra (por exemplo, preferir uma gratificação instantânea ao bem-estar a longo prazo) Que a chamemos de fraqueza simplesmente expressa nosso reconhecimento de que tal preferência é irracional.

38. Eis a prova formal deste argumento:

ARGUMENTO 3: QUE EXISTE UM SISTEMA MORAL VERDADEIRO PARA QUALQUER INDIVÍDUO (COMPROMETIDO EM SER RACIONAL)

Definições:

L = um indivíduo determinado

D = a condição em que o que qualquer um quer deve ser racionalmente deduzido do máximo de fatos verdadeiros razoavelmente obtíveis sobre suas preferências e sobre o resultado total de cada possível comportamento sob as mesmas circunstâncias.

W = um comportamento cujo resultado L deseja mais do que qualquer outro resultado.

B = aquilo para o que possuímos uma razão suficientemente motivadora para obedecer em detrimento de todos os outros sistemas imperativos (isto é, aquele comportamento que para o qual temos uma razão suficientemente motivadora para adotar em detrimento de todos os outros comportamentos recomendados).

C = um resultado ou conjunto de resultados alcançável que L deseja mais do que qualquer outro resultado alcançável.

Argumento:

3.1. Para qualquer L, se existe W, então se D é alcançado, então W é B.

3.2. Se D é alcançado, então existe C.

3.3. Se existe C, então existe W.

3.4. Portanto, se D é alcançado, então existe W.

3.5. Portanto, se D é alcançado, então B existe  (ou seja, se 3.1 e 3.4, então 3.5)

3.6. Se existe B, então existe T (isto é, se 1.8, então 3.6)

3.7. Portanto, para qualquer L, se D é alcançado, então existe T.

Portanto, para qualquer indivíduo, se o que ele deseja deve ser racionalmente  deduzido do máximo de fatos verdadeiros razoavelmente obtíveis sobre todas as suas preferências e sobre o resultado total de cada comportamento que lhe seja possível sob as mesmas circunstâncias, então existe um sistema moral verdadeiro para esse indivíduo.

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: